Nicolau Maquiavel é um dos mais influentes pensadores políticos da história. Nascido na Itália em 1469, ele foi um escritor, historiador e diplomata que viveu em um período turbulento da história italiana. Sua obra mais famosa, “O Príncipe”, é um tratado sobre a arte da governança e do poder, que foi escrito em um momento em que a Itália estava dividida em várias cidades-estados e era frequentemente invadida por potências estrangeiras. A obra de Maquiavel é vista como uma das primeiras a tratar o poder político como algo que pode ser estudado cientificamente, e não como algo divino ou místico.

A contribuição de Maquiavel como pensador político é imensa. Ele é creditado como um dos fundadores da ciência política moderna, e seu trabalho teve uma influência significativa em outros pensadores, como Hobbes, Rousseau e Kant. A principal contribuição de Maquiavel foi a introdução do realismo político, que argumenta que a política é uma questão de poder e interesse, e que um líder deve ser capaz de agir com prudência e adaptar-se às circunstâncias para manter o poder. Ele também defendeu a ideia de que um líder deve ser capaz de se impor com força e decisão quando necessário, e que a moralidade deve ser subordinada ao bem-estar do Estado.

Para tirar boas referências dos pensamentos de Maquiavel, é preciso entendê-los em seu contexto histórico e não usá-los de forma isolada. Embora suas ideias possam parecer brutais e cruéis em alguns aspectos, é importante lembrar que ele escreveu em um momento de guerra e instabilidade política.

É importante ter em mente que a ética e a moralidade ainda devem ser valorizadas na política, e que o poder deve ser usado com prudência e sabedoria. Além disso, é preciso ter em mente que a visão de Maquiavel é apenas uma entre muitas outras sobre a política, e que outros pensadores oferecem abordagens diferentes e complementares.

Conheça cinco conselhos de Maquiavel para políticos

1 . Seja astuto e flexível: Maquiavel acreditava que um líder político deve ser astuto e flexível para lidar com as constantes mudanças na política. Ele aconselhava os líderes a agirem com prudência, adaptando-se às circunstâncias e fazendo alianças estratégicas quando necessário.

Na política brasileira  ser astuto te ajudará a não se perder entre diversas propostas e múltiplos interesses, se você não sabe o que quer ou é influenciado facilmente não haverá futuro pra você neste meio. Se a astúcia te ajuda a não se perder, a flexibilidade vai garantir que você adapte seus objetivos as circunstâncias, pois nem sempre sua vontade vai prevalecer e ser inflexível vai afastar as suas oportunidades.

2 . Conheça seus adversários: Maquiavel acreditava que era importante para um líder político conhecer seus inimigos e suas fraquezas. Ele aconselhava os líderes a estar sempre alertas e preparados para lidar com ameaças, e a serem capazes de antecipar os movimentos dos seus oponentes.

Existe uma frase de Sun Tzu que diz assim: “Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas”.

O Brasil é um país heterogêneo, formado de múltiplas, raças, crenças e valores, nossa política é reflexo dessa pluralidade, nem mesmo dentro de partidos ideológicos os viés individuais se alinham.  

3 . Seja forte e decidido: Maquiavel acreditava que um líder político deve ser forte e decidido para manter o poder e controlar seus súditos. Ele aconselhava os líderes a serem implacáveis quando necessário, a não terem medo de tomar decisões difíceis e a serem capazes de impor sua vontade. No entanto, ele também alertava que um líder não deve ser visto como cruel ou injusto, pois isso pode gerar ressentimento e rebelião.

Entenda que ser forte e decidido não significa ser intransigente, lembra-te que um dos conselhos é justamente ser flexível e a intransigência não combina com isso, logo o que esse conselho quer dizer é que você não deve se pautar pela dúvida e protelar decisões.

4 . Seja virtuoso: Maquiavel acreditava que um líder político deveria ser virtuoso, ou seja, ter qualidades como coragem, justiça e sabedoria. Ele aconselhava os líderes a agirem de forma ética e moral, e a buscar o bem comum, em vez de apenas buscar o próprio interesse.

Entenda que para Nicolau Maquiavel os princípios políticos não se misturam com conceitos morais e religiosos do indivíduo. Ser virtuoso para Maquiavel é não esperar recompensas para se, e sim focar seus esforços para traçar os destinos do mundo.

A política brasileira, e ela não se difere muito das de outros países democráticos, é cheia de mesquinharia, cheia de pessoas com ego inflado, preocupados com suas pautas individuais. Ser virtuoso é entender que a partir do momento que você entra na política você deve abrir mão de lutar pelos seus interesses particulares.

5 . Seja respeitado, não amado: Maquiavel argumentava que, em alguns casos, é melhor para um líder político ser temido do que ser amado. Ele aconselhava os líderes a cultivarem o respeito dos seus súditos, em vez de tentar ser queridos por todos. No entanto, ele alertava que um líder não deve ser odiado, pois isso pode levar à sua queda. Portanto, um líder deve ser capaz de encontrar um equilíbrio entre ser respeitado e não ser odiado.

O amor é um sentimento circunstancial que pode ser influenciado por muitos fatores, como as emoções, os interesses pessoais, as crenças e os valores, o respeito por sua vez esta ligado a razoabilidade isso garante uma posição de autoridade e influência mais estável.

Quando um político busca ser amado ele espera o voto com base na gratidão das pessoas, para isso ele precisa se relacionar diretamente com a pessoa, já o respeito ele é produzido com base nas suas habilidades, integridade e capacidade de transmitir confiança o que não depende de um relacionamento direto com as pessoas.

Lembre-se “O prêmio para quem se arrisca no terreno da política é a chance de obter a glória e o poder. Mas ela também requer uma boa dose de sacrifício e altruísmo e jamais poderia ser reduzida a mero instrumento de enriquecimento pessoal”.

Links

Mais sobre Política